P.E.C. Nº 22: Françamente!!!!...



O recente Rali de França coroou Sébastien Loeb e Daniel Elena com o sétimo título mundial consecutivo, além de possibilitar à dupla da Citroen a sua sexagésima vitória absoluta em provas a contar para o Campeonato do Mundo de Ralis.

Para as cores lusas, o perentório triunfo de Armindo Araújo e Miguel Ramalho no P-WRC foi também um passo crucial rumo à tão almejada revalidação dos respetivos títulos mundiais, tendo sido menos efusiva a prova de Bernardo Sousa e Nuno Rodrigues da Silva no âmbito do S-WRC, sobretudo no primeiro dia de Rali, enquanto Nuno Barroso Pereira acompanhado desta feita pelo experiente Luís Ramalho, prosseguiu a sua aprendizagem internacional ao volante do Subaru do agrupamento de produção.

A FIA e a organização de corrida, na linha dos jargões da denominada 'nova economia', em 2010 fizeram 'deslocalizar' a prova gaulesa para a cidade de Haguenau, situada na zona da Alsácia, por coincidência - ou porventura não... - a região de onde são originárias duas das mais cintilantes estrelas do firmamento atual dos Ralis: o próprio Loeb [sobretudo este...], além do seu delfim e homónimo Ogier.

Os críticos dirão que esta mudança radical na estrutura da prova se deveu, antes de mais, a motivos que nada têm a ver com critérios em torno do interesse desportivo do Rali, assentando num certo jogo de sedução aos muitos adeptos que Loeb certamente terá na sua terra natal, com os interesses comerciais daí advenientes.



Certo é que o coro de críticas que se levantou em torno da nova localização da prova gaulesa, a começar pela excessiva rapidez dos troços - demasiado perigosos -, passando pela relativa proximidade geográfica com o Rali da Alemanha, e acabando no mau comportamento do público, levanta necessariamente a discussão sobre a opção tomada pelos organizadores do Rali de França.



Durante muitos anos, a ilha da Córsega acolheu a etapa francesa do campeonato do mundo de Ralis.

As classificativas em torno das cidades de Ajácio e Bastia, pela sua sinuosidade e reconhecida dificuldade técnica tornaram-se, com o passar dos anos, emblemáticas no contexto da história da modalidade.



A ilha e os seus troços, desde 1956 alimentaram batalhas épicas.

Projetaram momentos de glória e de profundo drama.

Produziram heróis e, infelizmente, também alguns mártires.



Tornaram-se lendários, constituindo-se como uma imagem de marca das provas de estrada em todo o mundo.

Perdoe-nos o caro leitor a deriva purista, mas 'Zona-Espectáculo' não pode deixar de enquadrar os Ralis numa superior e sublime forma de arte.

Nesse sentido, o Rali da Córsega reúne há muito predicados suficientes para o contextualizarmos como um 'clássico', à boa maneira do cinema americano dos anos quarenta e cinquenta.



Face a esta produção falhada, algo kitsch até, em que se tornou o Rali de França da presente temporada, a pergunta impõe-se e a resposta surge imediata:

Córsega?

Play it again... Jean!...

NOTA 1 - 'Zona-Espectáculo' desvenda-lhe o 'guião' e/ou 'argumento' da mais recente sequela do Rali de França: - http://www.rallyedefrance.com/telctdc.php?id=2738&cat=docffsa.

NOTA 2 - As fotos obtidas para ilustrar este trabalho foram obtidas em:
- http://www.forum-auto.com/sport-auto/theme40/sujet378103-10955.htm;
- http://www.motorsportforums.com/forums/showthread.php?p=847754;
- http://www.rallybuzz.com/wrc-rally-france-2010-alsace/;
- http://fanloeb39.smugmug.com/Machines/Rallye/WRC-Rallye-de-
France-2010/14047777_6u5tD#1033989851_jAhzr;
- http://www.lanciarally037.com/e-gallery.htm;
- http://www.forum-auto.com/sport-auto/theme40/sujet378103-10920.htm.

RALI DA CÓRSEGA/1983 [1ª PARTE]:

RALI DA CÓRSEGA/1983 [2ª PARTE]:

Comentários