quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

P.E.C. Nº 31: O valor da estabilidade...



Com o último Rali de Gales, desceu o pano sobre mais uma edição do campeonato do mundo de Ralis.

Para as cores lusas, esta foi uma temporada de ouro: Armindo Araújo e Miguel Ramalho carimbaram em definitivo o seu lugar na história, vincando posição como dois vultos de relevo nos Ralis, quer no plano interno [se é que necessitavam disso], quer nos grandes palcos internacionais.

Já há muitos anos que seguimos com atenção a trajetória [e as trajetórias…] ascensional do piloto de Santo Tirso.

Recordamo-nos bem quando, em 2002, após duas vitórias expressivas no nacional de Ralis/Promoção e no troféu Saxo, a equipa oficial da Citroen, sob a égide de José Raúl Pereira, apostou num jovem com aspecto liceal e ar de puto reguila, algo tímido, à época quase um ilustre desconhecido no firmamento dos Ralis portugueses, facto tão ou mais meritório quanto se sabia haver no mercado pilotos com muita experiência acumulada e palmarés desportivos bem recheados.



A partir de aí Armindo mostrou ao que vinha: irreverente, portador do mesmo espírito de aventura de homens como Romãozinho décadas antes, recolocou a Citroen no mapa, acumulou vitórias, suplantou concorrência de respeito e foi ganhando enorme reputação no mundo dos Ralis.

Aos dois títulos averbados ao serviço da filial portuguesa da marca do double chevron [2003 e 2004], viria a repetir credenciais ao volante do Mitsubishi de grupo ‘N’ [carro estruturalmente diferente do Saxo Kit Car], arrecadando categoricamente mais dois triunfos absolutos no C.P.R. [2005 e 2006], acumulando no seu palmarés três vitórias no Rali de Portugal.




Os sinais estavam dados.

Araújo já era, por esses dias, um dos melhores pilotos da história dos Ralis em Portugal e a internacionalização da sua carreira apresentava-se como o corolário lógico de sete temporadas a dominar as competições onde participou.

«Zona-Espectáculo» não esconde o seu orgulho de em 2007 e 2008, temporadas difíceis onde Armindo e Miguel debutavam fora de portas e experimentavam as naturais dificuldades de quem se inicia na grande montra do campeonato do mundo de Ralis, sempre ter feito, sem hesitações nem descrença, a defesa de ambos.

Por ignorância ou má-fé, muitos foram os que nesses dois anos colocaram em causa o labor da nossa dupla, como se não fossem abissais, a todos os níveis, as diferenças entre os Ralis lusos e os pontuáveis para o mundial da modalidade, como se dois dos mais primordiais mandamentos dos Ralis, a experiência e conhecimento do terreno, se adquirissem com um mero pestanejar de olhos ou estalar de dedos.

Mas mesmo nessas duas temporadas, Araújo e Ramalho tiveram vários momentos de grande relevo, liderando Ralis no agrupamento de produção, e chegando mesmo a conquistar a nobre proeza de vencer um troço à geral [Japão/2007, classificativa de Obihiro], nas barbas de Loeb e companhia.

As temporadas de 2009 e 2010 acabaram por ser a consolidação do trabalho de sapa levado a cabo nos dois anos anteriores, em que os nossos pilotos souberam marcar o seu próprio território no contexto do mundial de Ralis.


Adquirida a tarimba necessária para adequar o andamento às vicissitudes de cada Rali, sem vacilações mas também sem excessos, preparando meticulosamente cada prova com muitos quilómetros de testes acumulados, os resultados apareceram sob a forma de vitórias [conquistadas em diversos tipos de piso, díspares condições climatéricas, e em provas reconhecidamente difíceis como os Ralis de França ou da Alemanha] e dois títulos que orgulham sobremaneira o automobilismo português.

Armindo e Miguel, internacionalizaram-se: são hoje de pleno direito cidadãos do mundo dos Ralis.

Podem descomplexadamente medir meças a adversários da mais alta craveira.

Constituem-se como o melhor paradigma de como as coisas devem ser feitas: planificação e capital de informação adquirido como ferramenta para trabalhar o futuro.

A dupla bicampeã mundial tem sabido ser, desde 2007, a embaixatriz no exterior da enorme qualidade que os nossos pilotos têm.



O passado do automobilismo luso ensina que nos Ralis temos sido muito tímidos em nos virarmos para o exterior, sobretudo se comparados com a velocidade, matéria que aliás já afloramos na «P.E.C. Nº 4» deste blogue.

Regularidade, rapidez e sentido estratégico foram os vértices de um triângulo que conduziu Araújo e Ramalho a um sucesso sem precedentes, aliados a um grande profissionalismo e à maturidade com que se relacionam descontraída e genuinamente com os adeptos.



Mas todo este elã porventura não seria possível se ambos não tivessem, ao longo de épocas desportivas a fio, sabido perceber que a estabilidade é ela própria um valor intrínseco e de grande importância na conquista do êxito desportivo.

Hoje, Armindo e Miguel intuem reciprocamente a forma de trabalhar do companheiro, sabem automaticamente aquilo que o outro necessita para desempenhar na perfeição a sua missão dentro do carro.

Os sucessivos sucessos têm sido fruto, também, dos ‘automatismos’ [para citarmos o saudoso jornalista Gabriel Alves] e das rotinas que se foram gerando com o acumular de Ralis.



Patamares desportivos ao mais alto nível como são as provas do campeonato do mundo, ‘obrigam’ a que a dupla de pilotos não perca tempo nem dispense energias a ‘conhecer-se’.

A estabilidade é uma mais-valia em desportos onde pontifique o conceito de equipa.

Os Ralis não fogem a esta máxima.

E o Armindo e o Miguel têm-no sabido compreender na perfeição.

A melhor vitória e o mais incrível feito desportivo de ambos, acreditamos, está ainda para chegar.




As fotos que enquadram este trabalho foram obtidas em:
http://maissantotirso.blogspot.com/2010/11/armindo-araujo-e-miguel-ramalho.html
http://www.rallydeportugal.pt/pt/rally-de-portugal/noticias/entity/bis-para-armindo-araujo?bl=1
http://www.enciclopedia.com.pt/articles.php?article_id=150
http://www.galpenergia.com/PT/PRODUTOSSERVICOS/NOTICIAS/Paginas/ArmindoAraujoconsolidaaliderancadoPWRCcomavitorianoRallydaAlemanha.aspx
http://programacircuito.wordpress.com/2010/08/22/rali-da-alemanhapwrc-armindo-araujo-%E2%80%9Cfoi-um-fim-de-semana-fantastico%E2%80%9D/
http://www.rallysport.hu/info/2003/12/12-29_Bajnokok.htm
http://portodaspipas.blogs.sapo.pt/2009/09/

Sem comentários:

Enviar um comentário