P.E.C. Nº 37: Rali Sport Dão/Lafões, 2000



Não foi há muitos anos.

Porém, enquanto filosofia organizacional e competitiva para os Ralis portugueses, se fizermos a comparação entre o 'antes' e o 'agora', parece ter sido há uma eternidade.

Rali Sport Dão/Lafões, ano 2000.

Derradeira etapa do Campeonato Nacional de Ralis dessa temporada.



À partida para esta prova, quatro nomes matematicamente dispunham de condições para conquistar o título: Matos Chaves, Adruzilo, Madeira e Campos, eficazmente 'secretariados' pelos não menos incontornáveis Sérgio Paiva, Luís Lisboa, «Fanã» e Carlos Magalhães.

Se isto não fosse por si só particularmente significativo, sempre se pode dizer que três marcas se envolviam, em maior ou menor grau, de forma aberta no campeonato, fazendo envoluir nas classificativas portuguesas o Toyota Corolla, o Peugeot 206 e o Seat Córdoba, todos com a chancela 'WRC'.

Mas o cenário auspicioso não terminava por aqui.



Estes eram tempos em que Gustavo Louro e Tiago Azevedo galgavam meio Atlântico, para conduzir com competência o Ford Escort RS Cosworth de 'Grupo A' em várias provas continentais.

Na Fórmula 2, competiam ferozmente José Pedro Fontes/Nuno Rodrigues da Silva no Fiat Punto Kit Car, e Vítor Lopes/José Janela aos comandos do Citroen Saxo Kit Car.

No Agrupamento de Produção, o primado dos Mitsubishi Lancer Evo fazia antever antes de cada prova lutas sem quartel entre Vítor Pascoal/Duarte Costa, Pedro Dias da Silva/Mário Castro, Pedro Leal/Redwan Cassamo, e um jovem empenhado em fazer-se notar pelo seu talento e rapidez que dava pelo nome de Bruno Magalhães, coadjuvado à época por Paulo Amaro.



Sob a égide do Sport Clube do Porto, o palco montado nas classificativas da zona de Viseu [abrimos um parêntesis para expressar o nosso lamento pelo facto daquela região estar algo esquecida pelos organizadores de Ralis, sobretudo quando possui excelentes troços, quer em terra, quer em asfalto] era de molde a proporcionar um épico descer de pano sobre as hostilidades dessa temporada.

Assim foi!

Entre Pedro Matos Chaves e Adruzilo Lopes as contas apresentavam-se extraordinariamente simples: levar a melhor no duelo com o respectivo adversário directo.




Rui Madeira e Miguel Campos não dependiam só de si.

Necessitavam de desistências dos pilotos da Toyota e Peugeot, sendo que para o piloto do Mitsubishi as dificuldades advinhavam-se ainda maiores, pelo facto de estar ao volante de um carro manifestamente menos performante que os dos seus contendores.



Melhor que qualquer descrição que possamos fazer, as imagens que de seguida apresentamos revelam as peripécias e carga emotiva em que este Rali foi fértil, com drama e incerteza até ao controlo final da derradeira classificativa.

Um escassa dúzia de segundos foi a margem que decidiu o título a favor de Pedro Matos Chaves e Sérgio Paiva, não sem que antes tivessem tido um enorme susto como os próprios referem em jeito de rescaldo da prova.

Mas acima de tudo, sabendo-se das nuvens muito negras que pairam sobre o CPR/2011, o que não deve deixar de constituir motivo de reflexão é o facto de como é que num espaço de dez anos um campeonato pujante, equilibrado e repleto de grandes valores, deu lugar a algo que, esperamos estar enganados, será um quase simulacro de competição nacional de Ralis digna desse nome.

1ª PARTE:

2ª PARTE:

3ª PARTE:

CAMPEONATO NACIONAL DE RALIS/2000 [classificação final]:

1º -- Pedro Matos Chaves/Sérgio Paiva - Toyota Corolla WRC - 1696 pts;
2º -- Adruzilo Lopes/Luís Lisboa - Peugeot 206 WRC - 1676,5 pts;
3º -- Miguel Campos/Carlos Magalhães - Mitsubishi Carisma GT - 1502,5 pts;
4º -- Rui Madeira/Fernando Prata - Seat Cordoba WRC - 1249,5 pts;
5º -- Pedro Dias da Silva/Mário Castro - Mitsubishi Lancer - 1141 pts;
6º -- Vítor Pascoal/Duarte Costa - Mitsubishi Lancer - 1012 pts;
7º -- Vítor Lopes/José Janela - Citroen Saxo Kit-Car - 821 pts;
8º -- Bruno Magalhães/Paulo Amaro - Mitsubishi Lancer - 612 pts;
9º -- José Cunha/José Nunes - Subaru Impreza WRX - 467 pts;
10º - Gustavo Louro/Tiago Azevedo - Ford Escort Cosworth - 457,5 pts;
11º - Pedro Leal/Redwan Cassamo - Mitsubishi Lancer - 374 pts;
12º - Manuel Rolo/Luís Ramalho - Mitsubishi Lancer - 309 pts;
13º - José Pedro Fontes/Nuno Rodrigues da Silva - Fiat Punto Kit-Car - 297,5 pts;
14º - José Araújo/P. Barbosa - Citroen Saxo - 289 pts;
15º - Pedro Carmo/Filipe Fernandes - Subaru Impreza WRX - 246 pts;
16º - Luís Pimentel/Fernando Nunes - Subaru Impreza WRX - 227 pts;
17º - Arlindo Quintas/João Mendes - Mitsubishi Lancer - 212,5 pts;
18º - Fernando Peres/José Pedro Silva - Ford Escort WRC - 195,5 pts;
19º - Rodrigo Ferreira/Paulo Silva - Mitsubishi Lancer - 193 pts;
20º - Ferreira da Silva/Jorge Amorim - Ford Escort Cosworth - 192 pts.




GRUPO N/PILOTOS [classificação final]:

1º -- Miguel Campos - Mitsubishi Carisma - 635 pts;
2º -- Pedro Dias da Silva - Mitsubishi Lancer - 511,5 pts;
3º -- Vítor Pascoal - Mitsubishi Carisma - 454,5 pts;
4º -- Bruno Magalhães - Mitsubishi Lancer - 311 pts;
5º -- José Cunha - Subaru Impreza WRX - 259 pts;
6º -- Pedro Leal - Mitsubishi Lancer - 191 pts;
7º -- Manuel Rolo - Mitsubishi Lancer - 147,5 pts;
8º -- Pedro Carmo - Subaru Impreza WRX - 125 pts;
9º -- Arlindo Quintas - Mitsubishi Lancer - 123 pts;
10º - José Santos - Mitsubishi Lancer - 102 pts.

CAMPEONATO DE 2 LITROS/PILOTOS [classificação final]:

1º - Vítor Lopes - Citroen Saxo Kit-Car - 820,5 pts;
2º - José Pedro Fontes - Fiat Punto Kit-Car - 297,5 pts;
3º - José Araújo - Citroen Saxo - 289 pts;
4º - Miguel Paião - Nissan Micra - 153 pts;
5º - Américo Campos - Peugeot 306 Maxi - 104,5 pts.




CAMPEONATO DE MARCAS [classificação final]:

1º - Toyota - 584,5 pts;
2º - Peugeot - 465 pts;
3º - MitsubIshi - 415,5 pts;
4º - Subaru - 327,5 pts;
5º - Seat - 216,5 pts.

CAMPEONATO DE MARCAS/2 LITROS [classificação final]:

1º - Citroen - 612 pts;
2º - Nissan - 341,5 pts;
3º - Seat - 306,5 pts;
4º - Ford - 207 pts;
5º - Renault - 152,5 pts.

As fotos publicadas no presente trabalho, foram obtidas em:
- http://members.fortunecity.co.uk/paulo/classicnr.html

Comentários