terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

P.E.C. Nº 45: Camélias, 1988



Não será descabido afirmar que os Ralis têm uma certa alma e identidade rural.

A natureza no seu estado mais majestático - seja montanha, deserto ou floresta -, é o enquadramento onde a modalidade mais fluentemente respira, ali afirmando uma certa pureza de princípios.

Se os Ralis precisam do 'ar puro' campestre para se desenvolver, não deixa de ser de igual forma verdade que lhes é vital a 'alimentação' que só o grande público lhes pode proporcionar.

Daí que a modalidade ensaie com grande frequência um piscar de olhos às grandes urbes.

Actualmente, esse jogo de sedução faz-se sobre a forma de Super-Especiais disputadas nas artérias de vilas ou cidades, formato que se tornou padrão e generalizou um pouco por toda a parte.

Do prisma meramente desportivo somos críticos da adopção de tal estratégia, embora a compreendamos numa lógica de divulgação da modalidade, captação de novos públicos e promoção de patrocinadores.

Em alguns fóruns de debate, alude-se com frequência ao facto da 'Grande Lisboa' estar desde há muito afastada das grandes provas nacionais e internacionais de Ralis.

O «Rali Vidreiro» [Open de Ralis] e o «Rali Centro de Portugal» [C.P.R.], ambos organizados pelo Clube Automóvel da Marinha Grande, são os eventos com expressão nacional que mais perto se disputam da capital do país, mas mesmo eles já a uma distância bem acima da centena de quilómetros.

A próxima edição do Rali de Portugal vai para a estrada já no mês de Março, e irá amenizar o divórcio latente entre os espectadores lisboetas e os Ralis com o recurso a uma Super-Especial, desenhada com o Mosteiro dos Jerónimos e o Tejo como pano de fundo [ver link abaixo].

Será uma vez mais a expressão da matriz organizativa dos Ralis actuais.

São os novos tempos; as novas vontades.

Porém, num passado já algo distante no tempo mas bem presente na memória de muitos aficionados, o Rali de Portugal mimoseava o público lisboeta com clássicos intemporais como a «Lagoa Azul», «Peninha» e «Serra de Sintra», não esquecendo também «Alcabideche», «Gradil» ou «Montejunto», passando até, num outro contexto, pelas classificativas de «Abrantes» e «Coruche» que fechavam cada edição da prova com chave de ouro.

Em paralelo, um clima ímpar de arrebatamento entre público e Rali de Portugal tornava o tão icónico quanto inesquecível «slalom do autódromo do Estoril» como polo catalizador de fortes emoções.

No plano interno, desde os anos sessenta até ao início dos anos noventa, o emblemático «Rali das Camélias» afirmou-se como uma das provas clássicas do campeonato nacional de Ralis, servindo por norma como aperitivo para o Rali de Portugal.

Esquematizada em diversas classificativas traçadas nos arredores de Lisboa, a prova do «Clube Arte e Sport» sempre assumiu descomplexadamente a sua 'condição urbana'.

Existia uma intenção vincada da organização em edificar uma 'política de proximidade' com o grande público da capital.

Com o definhamento da prova, esse elã perdeu-se.

Desbaratou-se em larga escala todo o capital de entusiasmo que os habitantes da capital e arredores nutriam pelos Ralis, matéria que se agravou a partir de 1994 quando a estrutura do Rali de Portugal se virou em definitivo para as classificativas em terra do centro e norte do país.

O próximo dia 24 de Março será um bom barómetro para se aferir dos níveis de entusiasmo dos lisboetas pelos Ralis, agora que voltam a ter à sua porta os melhores pilotos e os mais espectaculares carros do planeta.

Confiamos que a resposta, até pelo exemplo do «Dakar» em anos anteriores, vai ser muito positiva.

No entanto, acreditamos que a fidelização desse mesmo público em torno da modalidade só vingará se pela região voltarem a disputarem-se provas na íntegra, gerando-se de novo hábitos e rotinas como as que no passado guindaram Sintra à condição de romaria obrigatória.

RALI DAS CAMÉLIAS [13 e 14 de Fevereiro de 1988]:

1ª PARTE:

2ª PARTE:

3ª PARTE:

4ª PARTE:

NOTA:
A foto que enquadra o presente trabalho retrata José INVERNO AMARAL e JOAQUIM NETO em acção no decurso deste Rali das Camélias de 1988, prova que viriam a vencer repetindo o triunfo da temporada anterior. Foi obtida em:
- http://www.ralisasul.com/forum/viewtopic.php?f=13&t=150


Sobre a Super-Especial de Lisboa do Rali de Portugal/2011:
- http://www.rallydeportugal.pt/PT/Rally-de-Portugal/Noticias/entity/Rali-parte-de-Lisboa-37-anos-depois

1 comentário:

  1. https://www.facebook.com/joao.alvarinhas/media_set?set=a.653072031403515.1073741832.100001021729866&type=3

    ResponderEliminar