P.E.C. Nº 81: Os gloriosos Maluch das máquinas voadoras!...



No futebol há o Barcelona, o Manchester United, o Milan, o Inter, ou o Real Madrid: para consumo interno temos o Benfica, o Porto e o Sporting.

Na arte de pontapear o esférico brilham à escala planetária Messi, Ronaldo, Neymar, Iniesta, Rooney, Pato ou Eto'o: por cá são ídolos Luisão, Aimar, Falcão, Hulk, entre vários outros.

Nos Ralis há a Citroen, a Ford e a Mini.

Dentro de algum tempo, também a Volkswagen.

Na arte de conduzir absolutamente no limite evidenciam-se Loeb, Ogier, Latvala, Hirvonen e Solberg: entre muros lusos notabilizam-se Armindo, Bernardo e Bruno.



Aludimos ao futebol por ser nossa convicção que, enquanto fenómeno de massas, ele não é apenas feito dos grandes clássicos da 'champions league': por esse mundo fora há milhares de ‘campeonatos distritais’ [ou conotados como tal...], jogados na rua ou em campos pelados capazes de esfolar joelhos e cotovelos ao mais empedernido praticante, completamente desconhecidos do grande público mas que não deixam por isso de ser também futebol.

Nos Ralis, para além dos mediáticos WRC e IRC, há de igual forma competição sob as mais diversas formas e feitios, muita dela diversificada e repleta de interesse.

Entre 1973 e 2000, alguns dos países do denominado bloco de leste, nomeadamente a Polónia e a antiga Jugoslávia, produziram e popularizaram na Europa oriental os automóveis que nos habituámos a conhecer a ocidente sob a designação Fiat 126.

O pequeno utilitário italiano era carinhosamente alcunhado por aquelas bandas como 'Maluch' [numa tradução livre significará 'o puto', glosando as suas exíguas dimensões].

No referido período fabricaram-se ali mais de três milhões destes automóveis.



Eram carros construídos à imagem e medida do ideal político de onde provinham: baratos, assentes na rigidez e austeridade conceptual, sem luxos de qualquer espécie que pudessem prefigurar um inadmissível desvario capitalista.

A guerra fria não permitia veleidades do lado de lá do muro de Berlim: enquanto na Europa ocidental o automóvel era um bem democratizável e massificado, funcionando como uma das mais admiráveis formas de afirmação da liberdade individual, nos países do bloco de leste os carros eram tidos como um mero meio de locomoção, nada propensos a itens como a ergonomia, o conforto ou a segurança.

Com os novos ventos políticos, económicos e sociais que foram soprando um pouco por todo velho continente, e com a abertura de um espaço europeu alargado também à região outrora 'inimiga', o 'Maluch' [deve pronunciar-se 'Malux'] foi naturalmente perdendo relevo em detrimento de automóveis mais modernos e melhor construídos, com o decorrer do tempo a guindá-lo à condição de um objeto de semiculto.

A matriz do desporto automóvel nos países da Europa oriental continua, ainda hoje, a passar em larga escala pelo aproveitamento de carros algo 'improváveis' para competição.

Nessa medida, o 'Maluch' foi sendo requalificado com vista à sua utilização no desporto automóvel, tornando-se os baixos encargos de aquisição e manutenção a base da sua popularidade, sobretudo no drifting e nos Ralis.



Pode-se perceber pelas imagens que seguem alguma dificuldade do 'Maluch' em se ambientar a um espaço distinto do seu habitat natural [a cidade, a baixa velocidade, o pára-arranca, o estacionamento em espaços exíguos].

Pouco dado a grandes exuberâncias de potência, o pequeno bólide presta-se contudo a algumas travessuras quando em curva, obrigando o piloto a 'dar-lhe a mão' para que não 'tropece'.

O seu cantar mais parece um melódico chilrear do que propriamente o rugido feroz dos melhores carros de Ralis.

No contexto do automobilismo em alguns países e realidades, o 'puto' marca a sua presença afirmando a sua maneira de ser.

Muitos 'putos' juntos em prova, quem sabe não poderão até 'parecer bandos de pardais à solta', remetendo para a intemporal estrofe do poema escrito por Ary dos Santos, imortalizado pela voz de ouro de Carlos do Carmo.

[Nota: a alcunha 'Maluch' popularizou-se de tal forma na Polónia desde o início da produção do carro em 1973, que a partir de 1997 viria a tornar-se a designação oficial do mesmo].





AS FOTOS PRESENTES NESTE TRABALHO FORAM OBTIDAS EM:
- http://www.gtaforums.com/index.php?showtopic=452529&st=20
- http://www.flickr.com/photos/eplusm/4029515113/
- http://www.rally24.com/rally-cars-for-sale/126p-rally-20710.html
- http://www.gtplanet.net/forum/showthread.php?t=111477&page=18

Comentários