sábado, 14 de janeiro de 2012

P.E.C. Nº 121: Hallia que se faz tarde!

Osmogodišnji vozač relija testira Mitsubishi Evo

Dizem que nos tempos que correm se chega à fase adulta cada vez mais cedo. 

Exemplos de precocidade entram-nos diariamente casa dentro, em situações divertidas pela sua espontaneidade, infelizes pela antecipação forçada daquilo que é natural, ou até mesmo enternecedoras pela capacidade que os mais novos têm em nos surpreender. 

A informação está hoje à distância de um clique. 

A massificação da tecnologia trouxe novos paradigmas de conhecimento a que os mais novos acedem com facilidade. 

Para o melhor e para o pior, este enquadramento potencia que se cresça mais depressa [também pela pressão do frenesim dos tempos], adquirindo-se uma maior panóplia de saberes nas primeiras etapas da vida. 

O automobilismo acompanha a realidade e não raras vezes supera-a pela antecipação

É comum acedermos a imagens que nos permitem seguir a evolução de jovens da mais tenra idade ao volante de pequenos karts. 

Ali aprendem os mandamentos mais básicos da condução em circuito que, mais tarde, são a base das respetivas carreiras no automobilismo de velocidade. 

Os Ralis são, nesta matéria, uma exceção que começa desde logo pela dificuldade de reproduzir numa escala de menor dimensão um carro da modalidade

Não se podendo ‘encolher’ um automóvel de competição pode-se, no entanto, fazer o inverso: colocar uma criança a 'brincar' num carro de ‘adultos’

As imagens que publicamos reproduzem precisamente essa ideia de precocidade: duas crianças, Tuukka Hallia e Kalle Rovanpera, que, aos oito anos de idade e obedecendo talvez à influência hereditária dos seus progenitores [ambos pilotos], conduzem carros de Ralis com uma naturalidade desconcertante. 


Mais que antecipar a futura geração de finlandeses voadores ou eventualmente revelar dois dos contendores ao título mundial lá mais para 2031, o que os vídeos aqui publicados ensinam é que desde cedo se pode e deve trabalhar a condução em Ralis

Noções como intuir o local de travagem, contrabrecar para o equilíbrio do carro numa situação momentânea ou provocada de sub ou sobreviragem, dosear o acelerador, ou perceber o momento preciso de passagem de caixa são mandamentos essenciais da condução desportiva, passíveis de treino e de aprendizagem. 

É desta forma, com tempo e prática, que se fabricam quase sempre os grandes campeões de Ralis. 

Os vídeos publicados neste trabalho são, em certo sentido, uma dessacralização dos flying finns

Lá nas paragens nórdicas eles não ‘voam’ devido ao acaso ou a especificidades genéticas em especial: eles ‘voam’ porque simplesmente aprendem desde muito cedo a ‘bater coordenadamente as asas’, de volante nas mãos claro está!






AS FOTOS PUBLICADAS NO PRESENTE TRABALHO FORAM OBTIDAS EM:
- http://www.index.hr/like/clanak/osmogodisnji-vozac-relija-testira-mitsubishi-evo/593451.aspx
- http://luiscezar.blogspot.com/2011/08/kalle-rovanpera-melhor-que-o-pai.html

Sem comentários:

Enviar um comentário