domingo, 21 de outubro de 2012

P.E.C. Nº 166: Porquê 1979?



A França polariza hoje a maior parte das atenções relativamente às grandes competições de Ralis à escala mundial. 

Do hexágono tricolor vem a equipa (Citroen) que de há muitos anos a esta parte domina quase incontestavelmente o campeonato do mundo da disciplina. 

De terras gaulesas é natural o piloto (Loeb) que, no âmbito do WRC, redefiniu os contornos da palavra palmarés conferindo-lhe uma dimensão quase celestial

A confirmar-se a saída de cena do homem que vem insolentemente dominando a competição de há nove temporadas a esta parte, reside também em França aquele (Ogier) que muitos apontam como seu sucessor natural. 

Em paralelo a toda esta envolvência mediática, Paris afirmou-se nos últimos anos como verdadeiro centro de poder e decisão relativamente aos Ralis internacionais

A condução dos destinos futuros do campeonato do mundo de Ralis está hoje confiada a uma dupla francesa: Jean Todt e Michèle Mouton

O Presidente da FIA (antigo navegador e diretor de equipa) e a Comissária com o pelouro internacional para a modalidade (a ex-piloto é ainda hoje, volvidos muitos anos, recordada com saudade) têm um passado altamente respeitável que credibiliza o desempenho das funções que atualmente lhes estão confiadas. 

São pessoas dos Ralis e que sabem de Ralis. 

De forma mais ou menos concertada têm vindo a mostrar intenção de desfragmentar uma certa ideia de padronização no esquema das provas do mundial, dotando-as de personalidade própria.

Serão, nos seus propósitos, os tais Ralis «com histórias para contar», à procura do encontro de contas com o passado. 

Nessa medida, exemplos como aumentar de forma expressiva a extensão de quilómetros nos eventos do WRC ou abandonar em definitivo o sistema de super-rally podem, a prazo, tornar-se uma realidade, caso não esbarrem na resistência dos (atuais e futuros) construtores e principais equipas inscritas no mundial. 

Se esse é, ou não, o caminho a trilhar, não nos compete para já dissecar. 

Na qualidade de adeptos merece-nos simpatia o propósito de devolver os Ralis à sua era dourada. 

Entendemos importante que se saiba perspetivar os desafios que se colocam a este desporto sem descorar a sua matriz histórica

Em muitas ocasiões o passado nem sempre foi íntegro ou inteiramente justo com aqueles que contribuíram decisivamente para o engrandecer. 

É assim em todos os aspetos da vida e não se pode ligar a máquina do tempo para reescrever ou corrigir a história. 

Ainda assim, há formas de menorizar no presente as omissões que o passado não soube ou não conseguiu colmatar. 

O reconhecimento público a quem deixou marca será, pensamos, um passo importante para essa prossecução. 

A designação oficial de campeonato do mundo de Ralis iniciou-se, quanto a pilotos, em 1979.

Na cronologia do WRC o primeiro piloto campeão mundial é, portanto, o sueco Bjorn Waldegaard

No entanto, as provas de estrada estruturadas sob à égide da FIA começaram em 1973: é aqui que remonta o primeiro título mundial de construtores com o cunho oficial da Federação Internacional do Automóvel (ao tempo denominada FISA), vencido pela Renault. 

Ao comum dos adeptos e provavelmente a muitos dos intervenientes diretos na modalidade, causará perplexidade o facto de entre 1973 e 1979 não haver a nível oficial a atribuição de títulos mundiais a pilotos. 

É certo que em 1977 e 1978 a entidade maior do desporto automóvel levou a cabo a denominada ‘Taça FIA para Pilotos’, visando corrigir uma insuficiência que se começava a tornar evidente, mas esse eufemismo ficou para sempre e aos olhos de muitos como a contradição de pretender chamar bacharelato a uma verdadeira licenciatura

Se é certo que os Ralis evoluíram (e muito) entre 1973 e 1979, não deixa porém de ser verdade que o campeonato do mundo enquanto competição pensada e estruturada por uma mesma entidade manteve nesses anos uma identidade una

Muitos pilotos atravessam transversalmente esse período competindo ao mais alto nível, muitas das provas (nas quais se inclui o «melhor Rali do Mundo», o nosso, o de Portugal) foram-se afirmando (várias delas, até, para além de 1979) como elo primordial de materialização da ideia de campeonato do mundo

Os destinos do WRC foram assumidos pela FIA desde 1973, ano da atribuição do primeiro título de marcas. 

Não se vislumbram razões suficientemente consistentes nem qualquer marco temporal para compartimentar o campeonato do mundo de pilotos em dos períodos distintos: antes de 1979 e depois de 1979

Todavia, esta disfunção existe. 

E, a nosso ver, deve ser corrigida. 

São conhecidos os resultados dos pilotos que a partir de 1973 ‘pontuaram’ (na medida em que contribuíram para a classificação das respetivas marcas) no ‘mundial’ de Ralis (vd. informação infra). 

Encontra-se perfeitamente definida a hierarquia de classificações finais, ainda que ‘virtuais’ (não reconhecidas oficialmente) dos pilotos que participaram nessas sete temporadas. 

Pela sua perícia e mestria na condução, eles tornaram-se ao fim ao cabo nos grandes heróis que essa etapa da história consagrou

Contribuíram decisivamente para afirmar a popularidade que este desporto foi granjeando pelos quatro cantos do planeta. 

No entanto, por paradoxal que possa parecer, o reconhecimento dessas façanhas nunca foi materializado oficialmente pela FIA. 

Escapa ao comum dos adeptos, pois, os fundamentos que conduzem a esta perspetiva da entidade máxima do desporto automóvel segmentada nos períodos pré-1979 e pós-1979.

Numa altura em que os dois maiores dignatários dos Ralis (Todt e Mouton) não mostram pruridos em querer devolver à modalidade o elã de outrora, dignificar ao nível de pilotos os campeonatos do mundo disputados entre 1973 e 1979 seria, antes de mais, um ato de justiça

Aos olhos da esmagadora maioria dos seguidores desta modalidade, trata-se de pilotos que foram campeões do mundo de facto e que incompreensivelmente não o são de jure

É um conjunto de homens que justifica plenamente pelos seus feitos a atribuição do galardão máximo de campeões mundiais. 

Alguns deles são, sem favor, dos maiores talentos que jamais a modalidade produziu. 

O brilhantismo que empregaram nas classificativas dos quatro cantos do mundo ainda hoje cintila nas memórias de muitos aficionados. 

Notabilizá-los 'a título póstumo' (das suas carreiras desportivas, pois felizmente ainda se encontram todos eles no mundo dos vivos), atribuindo-lhes a condição sublime de campeões do mundo é, em nossa opinião, um imperativo histórico

É ter a lisura de corrigir uma anomalia que o decurso do tempo não soube, nem quis, colmatar

É conceder o estatuto de filhos a figuras centrais desta modalidade como Thérier, Munari ou Alén, hoje administrativamente olhados a nível oficial como enteados

Presumindo ser genuína a vontade de Jean e Michèle em recuperar para o presente a nomenclatura do passado, parece-nos estar aqui, na consagração pela FIA do título mundial de pilotos retroagido a 1973, um ótimo ponto de partida…

 1 9 7 3  


Therier, Jean-Luc: 72
Makinen, Timo: 40
Warmbold, Achim: 40
Darniche, Bernard: 35
Andruet, Jean-Claude: 20
Blomqvist, Stig: 20
Boyce, Walter: 20
Mehta, Shekhar: 20
Nicolas, Jean-Pierre: 20
Waldegard, Bjorn: 16
Aaltonen, Rauno: 15
Alen, Markku: 15
Andersson, Ove: 15
Culmbacher, Egon: 15
Neyret, Robert: 15
Verini, Maurizio: 15
Walker, Jim: 15
Lindberg, Hakan: 14
Kallstrom, Harry: 13
Eklund, Per: 12
Kinnunen, Leo: 12
Romaozinho, Francisco: 12
Smiskol, John: 12
Stawowiak, Maciej: 12
Walfridsson, Per-Inge: 12
Buffum, John: 10
Chasseuil, Guy: 10
Lampinen, Simo: 10
Mikkola, Hannu: 10
Netto, Luis: 10
Fischer, Georg: 8
Nunes, Americo: 8
Ojanen, Antti: 8
Blomqvist, Gunnar: 6
Bochnicek, Richard: 6
Mucha, Robert: 6
Danielsson, Bror: 4
Greder, Henri: 4
Pinto, Raffaele: 4
Pregliasco, Mauro: 4
Queiroz Pereira, Manuel: 4
Russling, Klaus: 4
Sclater, Chris: 4
Singh, Satwant: 4
'Gedehem': 3
Fall, Tony: 3
Haugland, John: 3
Bauce, Roberto: 2
Britth, Hans: 2
Lagniez, Jean-Claude: 2
Merlone, Lorenzo: 2
Psihas, John: 2
Bardopoulos, Ioannis: 1
Donner, Frederick: 1
Evard, Yves: 1
Trautmann, Christine: 1

 1 9 7 4 


Munari, Sandro: 64
Alen, Markku: 27
Blomqvist, Stig: 25
Waldegard, Bjorn: 25
Andruet, Jean-Claude: 20
Makinen, Timo: 20
Mikkola, Hannu: 20
Pinto, Raffaele: 20
Singh, Joginder: 20
Therier, Jean-Luc: 20
Kallstrom, Harry: 18
Bisulli, Giulio: 15
Nicolas, Jean-Pierre: 15
Boyce, Walter: 12
Fagnola, Alfredo: 12
Andersson, Ove: 10
Billows, Keith: 10
Lampinen, Simo: 10
'Iccudrac': 8
Chasseuil, Guy: 8
Jones, Eric: 8
Rohrl, Walter: 8
Bacchelli, Fulvio: 6
Neyret, Robert: 6
Walfridsson, Per-Inge: 6
Clarr, Jean-Louis: 4
Fischer, Georg: 4
Sclater, Chris: 4
Shankland, Bert: 4
Zasada, Sobieslaw: 4
Kullang, Anders: 3
Piot, Jean-Francois: 3
Romaozinho, Francisco: 3
Preston, Vic: 2
Frequelin, Guy: 1
Hourihan, Bob: 1
Ulyate, Robin: 1

 1 9 7 5 


Mikkola, Hannu: 55
Waldegard, Bjorn: 40
Munari, Sandro: 35
Andersson, Ove: 32
Makinen, Timo: 32
Alen, Markku: 20
Darniche, Bernard: 20
Rohrl, Walter: 20
Verini, Maurizio: 18
Lampinen, Simo: 16
Blomqvist, Stig: 15
Livieratos, Tassos: 15
Nicolas, Jean-Pierre: 15
Andruet, Jean-Claude: 12
Koumas, Michael: 12
Neyret, Robert: 12
Therier, Jean-Luc: 12
Aaltonen, Rauno: 10
Cowan, Andrew: 10
Deschaseaux, Jean: 10
Pond, Tony: 10
Bianchi, Carlo: 8
Carlsson, Ingvar: 8
Cortez, Pedro: 8
Kullang, Anders: 8
Maniatopoulos, Alexandros: 8
Piot, Jean-Francois: 8
Bray, Salvatore: 6
Henry, Jacques: 6
Mehta, Shekhar: 6
Remtulla, Zully: 6
Salonen, Timo: 6
Steffansson, Berndt: 6
Brambilla, Alberto: 4
Haugland, John: 4
Moschous, George: 4
Rouget, Jean-Pierre: 4
Frequelin, Guy: 3
Romaozinho, Francisco: 3
Svensson, Hakan: 3
Ahlin, Rune: 2
Hamalainen, Kyosti: 2
Lezama, Fernando: 2
Sparrow, Will: 2
'Pavlos': 1
Andersson, Leif: 1
Dorche, Christian: 1
Greder, Henri: 1
Osstyn, Jacques: 1

 1 9 7 6 


Munari, Sandro: 82
Clark, Roger: 28
Alen, Markku: 26
Kallstrom, Harry: 24
Andersson, Ove: 23
Eklund, Per: 20
Nicolas, Jean-Pierre: 20
Singh, Joginder: 20
Waldegard, Bjorn: 20
Lampinen, Simo: 18
Kullang, Anders: 16
Airikkala, Pentti: 15
Blomqvist, Stig: 15
Livieratos, Tassos: 15
Mikkola, Hannu: 13
Manzagol, Jean-Pierre: 12
Queiroz Pereira, Manuel: 12
Deschaseaux, Jean: 10
Moschous, George: 10
Rohrl, Walter: 10
Shankland, Bert: 10
Almeras, Jacques: 8
Ballestrieri, Amilcare: 8
Russling, Klaus: 8
Brundza, Stasis: 6
Fischer, Georg: 6
Lorenzelli, Livio: 6
Prive, Jacky: 6
Salonen, Timo: 6
Frequelin, Guy: 4
Papadamandiou, Joannis: 4
Salvi, Giovanni: 4
Skanse, Soren: 4
Dawson, Andy: 3
Ortigao, Jorge: 3
Schirnhofer, Leo: 3
Sevelinge, Jean-Claude: 3
Culcheth, Brian: 2
Gardavot, Christian: 2
Beguin, Bernard: 1
Hellier, John: 1
Niebergall, Horst: 1

 1 9 7 7 


Waldegard, Bjorn: 70
Andruet, Jean-Claude: 34
Salonen, Timo: 34
Hamalainen, Kyosti: 32
Munari, Sandro: 32
Alen, Markku: 18
Bacchelli, Fulvio: 18
Blomqvist, Stig: 18
Danielsson, Bror: 18
Darniche, Bernard: 18
Aaltonen, Rauno: 16
Mikkola, Hannu: 16
Pinto, Raffaele: 16
Vatanen, Ari: 16
Andersson, Ove: 14
Clark, Roger: 14
Kallstrom, Harry: 14
Lampinen, Simo: 14
Swaton, Gerard: 14
Toivonen, Henri: 14
Zanini, Antonio: 14
Luc, Jean-Paul: 13
Ormezzano, Federico: 13
Queiroz Pereira, Manuel: 13
Shinozuka, Kenjiro: 13
Buffum, John: 12
Cowan, Andrew: 12
Pregliasco, Mauro: 12
Saaristo, Markku: 12
Ragnotti, Jean: 11
Asterhag, Leif: 10
Bourgeoys, Paul: 10
de Meyer, Dominique: 10
Kyprianou, Kypros: 10
Millen, Rod: 10
Perusse, Jean-Paul: 10
Carlsson, Lars: 9
Gardavot, Christian: 9
Lefebvre, Jean-Claude: 9
Almeras, Jacques: 8
Brough, Alan: 8
Garside, Bob: 8
Neby, Sven-Inge: 8
Wittman, Franz: 8
dall'Ava, Orlando: 7
Oger, Alain: 7
Haugland, John: 6
Shankland, Bert: 6
Engseth, Per: 4
Nunes, Americo: 4
Pesmazoglou, Ioannis: 4
Pond, Tony: 4
Chandler, Morrie: 3
Eklund, Per: 2

 1 9 7 8 


Alen, Markku: 68
Nicolas, Jean-Pierre: 66
Rohrl, Walter: 50
Kullang, Anders: 41
Mikkola, Hannu: 34
Ragnotti, Jean: 33
Warmbold, Achim: 25
Darniche, Bernard: 18
Waldegard, Bjorn: 18
Aaltonen, Rauno: 16
Mehta, Shekhar: 16
Preston, Vic: 16
Preston Jr, Vic: 16
Verini, Maurizio: 16
Andersson, Ove: 15
Airikkala, Pentti: 14
Heinonen, Taisto: 14
Pregliasco, Mauro: 14
Vincent, Francis: 14
Presotto, Angelo: 13
Rainio, Tapio: 13
Torres, Carlos: 13
Almeras, Jacques: 12
Blomqvist, Stig: 12
Danielsson, Bror: 12
Eklund, Per: 12
Perusse, Jean-Paul: 12
Pond, Tony: 12
Zasada, Sobieslaw: 12
Livieratos, Tassos: 11
Vincens, Jean-Francois: 11
Blok, Hendrik: 10
Dawson, Andy: 10
Lunel, Christian: 10
Page, Herve: 10
Walfridsson, Lars-Erik: 10
Coleman, Billy: 9
Makinen, Timo: 9
Melin, Kjell: 9
Gallo, Evangelos: 8
McCallum, Gordon: 8
Mouton, Michele: 8
Stromberg, Ola: 8
Toivonen, Henri: 8
Martinho, Andre: 7
Tundo, Frank: 7
Hamalainen, Kyosti: 6
Zapadlo, Miloslav: 6
Balesi, Claude: 5
Ruedin, Hans-Peter: 5
Brundza, Stasis: 4











AS FOTOS EXIBIDAS NO PRESENTE TRABALHO FORAM COLHIDAS EM:
http://www.northloop.co.uk/forum/showthread.php?10388-The-Rally-Supercars.....
- http://rallyazores.blogspot.pt/2010/10/rally-rac-1974.html
- http://rallyazores.blogspot.pt/2011/07/wrc-rally-1000-lakes-1975.html
- http://www.forum-diecast.pt/index.php?topic=7448.0
- http://rallyesfoz.blogspot.pt/2011_06_30_archive.html
- http://www.diecastlegends.com/motorsport-models/fiat-131-abarth-portugal-1978-4-m-alen-1-18.html
- http://www.nicematin.com/article/sports-monaco/michele-mouton-ce-retour-simposait.758719.html

1 comentário:

  1. Estas pontuações retroactivas estão de acordo com as do livro do Grupo 4 da McKlein? É uqe quando folheei o livro vi lá umas tabelas semelhantes

    ResponderEliminar