sexta-feira, 29 de março de 2013

P.E.C. Nº 193: Repastos a... 100 à hora!...


Ralis e gastronomia são dossiês já abertos anteriormente neste blogue. 

Na P.E.C. Nº 28, sob a supervisão de Miguel Borges, Luís Lisboa e Fernando Prata, elencámos alguns templos da boa cozinha feita em Portugal. 

Nas P.E.C. Nº 168 e 169, ‘confecionámos’ ligações visuais entre carros de Ralis e duas ‘oficinas de degustação’ (uma delas entretanto encerrada) capazes de reparar estômagos ao mais exigente dos comensais. 

Noutro campo (como veremos com ligações às duas causas em apreço), na P.E.C. Nº 184 desenvolvemos algumas linhas em torno do saudoso ‘Clube 100 à Hora’ e da sua realização mais emblemática: a não menos inesquecível ‘Volta a Portugal’ para Ralis. 

Na fotografia que abre o presente trabalho simboliza-se, de forma julgamos bem vincada, a improvável simbiose entre o clube lisboeta e estabelecimentos de pendor culinário. 

Da imagem em questão (a nosso ver deveras bonita) avultam três notas:

- A forma como um clube vocacionado antes de mais para organizar provas de Ralis, conseguia, enquanto existiu, transpor o seu prestígio muito além da sua zona de origem (Lisboa), a ponto de emprestar o seu símbolo a um estabelecimento situado na denominada província, numa cidade que dista mais de uma centena de quilómetros da capital do país. 

- O facto do ‘Clube 100 à hora’ ter conseguido, no período áureo, influenciar e acercar-se de atividades (no caso, a restauração) que nada tinham de conexão com o seu núcleo de ação e influência (o desporto automóvel), algo que só tem à escala paralelo com o Automóvel Club de Portugal (sendo certo que o ACP tem há muito tempo uma dimensão nacional, abrangendo uma multiplicidade de áreas pelos quatro cantos do país)

- A curiosidade de uma pequena empresa de restauração, com sede numa localidade com algum movimento mas sem um expressivo número de residentes, ter no passado encarado o improvável  'Clube 100 à Hora’ como um relevante veículo promocional para a arte (a da boa mesa) por si desenvolvida.



Sem comentários:

Enviar um comentário