P.E.C. Nº 311: Rali Vidreiro/2015, 'Caranguejeira 1'


A meio do último Rali Vidreiro as emoções desportivamente falando estavam ao rubro.

Andamentos no limite, quase todos os mais qualificados pilotos do plantel à procura de glória, e alternância de vitórias em classificativas marcavam por esta altura a prova, antevendo um desfecho extremamente renhido que o final da corrida haveria de confirmar.

A páginas tantas, ao quarto troço do evento (‘Caranguejeira 1’, o primeiro do segundo dia de despiques, a que as imagens que de seguida se publicam dizem respeito) foi Carlos Martins, acompanhado de Daniel Amaral, quem chamou a si o protagonismo ao triunfar com alguma surpresa na pequena especial do concelho de Leiria. 

Escrevemos ‘alguma surpresa’, não porque o piloto de Serpa não apresente credenciais mais que suficientes para este género de façanhas, antes porque tripulando um S2000, ainda que com o pedigree de ser a viatura campeã nacional em título, tem em mãos material em fim de geração e menos competitivo que o de vários dos rivais diretos. 

Num enquadramento destes, Martins podia defender-se. 

Dentro e fora do carro. 

Dentro, moderando o andamento para concluir Ralis atrás dos R5, cumprindo o que de certa forma é expectável e na prática lhe é exigível. 

Fora, fazendo circular a mensagem carregada de ambiguidade que conhecemos como «o objetivo é terminar Ralis para acumular quilómetros» ou expressar um sentimento positivo pelos simples facto de «terminar como o melhor dos ‘não R5’»

O piloto do Skoda exprime todavia em competição uma certa exaltação das características das gentes do Alentejo, de onde é natural. 

Há ‘nervo’ (visível e audível) na condução de Carlos Martins

Há determinação e o ‘tamborilar’ impaciente do pé sobre o acelerador em curva, antes de pisar o pedal direito a fundo à entrada da reta seguinte (a última fronteira a partir da qual se está perante pilotos realmente de topo)

E há o caráter férreo de antes quebrar que torcer, que poucas vezes se encontra em quem tem em mãos material menos eficaz que a concorrência. 

Num enquadramento destes, sabendo-se de antemão ser um S2000 bem mais exigente em termos de condução que qualquer viatura do agrupamento de produção, com limites mais apertados e difíceis de encontrar, Martins é o peso-médio combativo que começa a mostrar qualidade e ambição em medir-se com os pesos-pesados dos Ralis nacionais, mesmo que aqui e ali, como sucedeu na classificativa seguinte do Vidreiro (‘Espite-Matas 1’), possa naturalmente ir ao tapete vítima do seu próprio voluntarismo e fogosidade.

«»«»«»«»«»   «»«»«»«»«»   «»«»«»«»

 José Pedro Fontes + Miguel Ramalho  - [Citroen DS3 R5]

 João Barros + Jorge Henriques  - [Ford Fiesta R5]

 Ricardo Moura + António Costa  - [Ford Fiesta R5]

 Pedro Meireles + Mário Castro  - [Skoda Fabia R5]

Adruzilo Lopes + Vasco Ferreira - [Subaru Impreza Sti R4]

 Diogo Salvi + Paulo Babo  - [Ford Fiesta R5]

 Carlos Martins / Daniel Amaral  - [Skoda Fabia S2000]

 Carlos Vieira + Luís Ramalho  - [Porsche 997 GT3 Cup]

Comentários

  1. Caranguejeira seria a vila próxima a Espite, Leão e soutos ? se for é perto de "casa"

    ResponderEliminar

Enviar um comentário